Nós Indicamos


Pesquisa investiga e expõe comportamento do jovem brasileiro


Feito pela agência Namosca, o estudo pretende transformar a visão que empresas e instituições sociais possuem deste grupo
Uma pesquisa que acaba de ser apresentada ao mercado promete revolucionar a maneira como as empresas e instituições sociais enxergam os jovens brasileiros. Além de desmistificar conceitos, propõe soluções para conflitos frequentes entre as gerações.

Segundo Marcos Calliari, autor do estudo e proprietário da agência Namosca (www.namosca.com.br), especializada no universo jovem, o resultado mais significativo a que se chegou foi a existência de uma necessidade imperativa de que a sociedade se adapte aos novos tempos, já que dogmas, imposições e autoridade não funcionam com a geração Y e certamente não servirão para as próximas. “Não adianta dizer que os jovens são imediatistas, infiéis, instáveis e descompromissados. O desafio – e isso vale para todos os setores, seja econômico, educacional, político, corporativo, familiar ou até religioso - é criar atrativos para mantê-los interessados”, afirma.

A pesquisa foi realizada em 2011 com 784 universitários de sete cidades (São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e Salvador) e revelou dados extremamente interessantes.

Em comparação com outra pesquisa da Namosca feita em 2009, a idade média dos universitários saltou de 21,5 para 23 anos. O perfil sócio-demográfico também mudou: enquanto em 2009 a maioria era da classe B, agora metade representa a C. Além disso, aumentou consideravelmente o percentual de estudantes que pagam suas faculdades.

Ainda sobre o cenário acadêmico, a oferta de cursos de interesse e uma melhor preparação para o mercado são os fatores mais determinantes na escolha de uma faculdade/universidade e os jovens parecem saber o que querem. A maioria diz que teve total liberdade para escolher a carreira, considera o ingresso na vida universitária uma grande conquista e pretende continuar estudando após se formar.

Porém, surpreendentemente, a evasão é grande, talvez em função de crenças como “pretendo ter um dia meu próprio negócio” e “ter sucesso na vida só depende de mim”. “Outra boa explicação pode ser a seguinte: como um jovem que passa boa parte de seu dia totalmente conectado e domina as tecnologias mais avançadas pode se interessar em aprender diante de um quadro negro e ainda mais conteúdos desafados?”, questiona o empresário.

No quesito profissional, considerando a média de todas as cidades, 63% dos jovens estagiam – de forma remunerada ou não – ou já foram efetivados. Os de Salvador e Curitiba são os que mais se destacam: respectivamente 73% e 72%. Entre os que apenas estudam estão os mineiros, com 58%, e os cariocas, com 43%. Outro dado curioso é que seis em cada 10 entram no mercado de trabalho já no primeiro ano do ensino superior.

A religiosidade também passou por transformações. Enquanto em 2009 apenas 35% eram católicos, 16% evangélicos e 29% acreditavam em Deus mas não seguiam uma religião específica, agora são 44%, 18% e 14%, respectivamente.

O mito de que a diversão é prioridade para os jovens veio por terra. Só 6% a citaram como algo extremamente importante, enquanto 62% colocaram a família em primeiro lugar e 50% os estudos. Os que mais gastam com lazer semanalmente são homens maiores de 24 anos das capitais paulista e mineira.

O gosto musical é cada vez mais eclético. Exalta Samba, Legião Urbana, U2, Ivete Sangalo, Cold Play, Jota Quest, Paula Fernandes, Titãs, Djavan, Restart, Pitty, Metallica, Pink Floyd, Lady Gaga e até Roberto Carlos estiveram entre os grupos/cantores mais citados. Ou sejá, há espaço para todos os estilos, de sertanejo e pagode até MPB e rock progressivo.

As celebridades mais admiradas pelos jovens são, nesta ordem, Cesar Cielo, Wagner Moura, Luciano Huck, Selton Melo, Ronaldo Fenômeno, Bernardinho, Roberto Justus, Lula, Gisele Bundchen e Giba. Todas ficaram com mais de 30% dos votos. Já entre as que mais os entendem ficaram Serginho Groisman, com 34% das citações, Marcos Mion (26%) e Rodrigo Faro (21%). Grazi Massafera, Juliana Paes, Paula Fernandes e Maria Gadu são as que eles mais gostariam de conhecer, todas também com mais de 30% dos votos.

Tirando Lula e Dilma, nenhum outro político foi citado pelos jovens. Aliás, 57% dos membros da geração Y sentem falta de algum que lute por seus interesses e 69% estão insatisfeitos com a política brasileira. Só 24% gostariam de se envolver mais com ela.

Por fim, o poder de consumo. Consultados sobre o que já possuem, 98% dos entrevistados responderam celular, 97% pares de tênis e calças jeans, 93% contas de e.mails, 92% perfis em redes sociais, 77% contas correntes, 71% computadores de mesa, 65% cartões de crédito e 58% MP3 Players ou Ipods. Quanto aos itens que pretendem adquirir em curto prazo, no topo da lista, com 28%, estão laptops e calças jeans, e com 25% dos votos estão celulares e pares de tênis. No lado mais fraco das preferências ficaram as bicicletas: só 6% dos jovens sonham em comprar uma.

Marcos Calliari vê um cenário positivo diante dos resultados que obteve com a pesquisa. “O desafio para o futuro é aprender a engajar e comprometer os jovens e não apenas criticá-los, o que só aumenta o abismo geracional. Porém, com a chegada dos jovens dessa geração a posições de decisão nas instituições, é inevitável que elas mudem para sempre”, conclui.

Sobre a agência Namosca

De acordo com o censo de 2005 do IBGE, há 35 milhões de jovens entre 15 e 24 anos no Brasil. Além de muitos, atualmente eles são poderosos, influentes e ganham bons salários, o que os transforma em excelentes consumidores de produtos e serviços. Se antes as decisões de compras eram tomadas pelos chefes de família, hoje são os jovens que lideram a família toda neste quesito.

Por outro lado, trata-se também de um público extremamente exigente, o que representa um grande desafio para empresas acostumadas com o marketing e a comunicação tradicionais. Foi assim que nasceu, em 2003, a agência Namosca, com a proposta de ser a maior conhecedora dos hábitos, atitudes, sonhos e tendências do público jovem e fazer isso matéria-prima para seus projetos.

Hoje, a empresa já é a número 1 em marketing jovem e tem ou teve como clientes Skol, Snickers, Adidas, Anhembi Morumbi, Accenture, Belas Artes, Unibanco e Sadia, entre outras. Para se infiltrar neste universo de maneira adequada, a empresa utiliza até universitários influentes – como diretores de centros acadêmicos e atléticas - como embaixadores.

Outro grande diferencial é seguir um conceito único de foco no target e não nas ferramentas. Ou seja, a agência faz tudo o que for preciso para estabelecer uma comunicação eficiente com este público-alvo, seja publicidade, venda de produtos, eventos ou webmarketing, entre outras especialidades.

A Namosca está organizada em unidades de negócios que atendem cinco cenas diferentes: Esportes e Saúde; Entretenimento; Dinheiro e Finanças; Telefonia e Tecnologia; e Educação e Carreira. Desde 2007, passou a publicar frequentemente pesquisas de opinião sobre as mudanças comportamentais dos jovens, em relação a temas como tecnologia, moda e beleza, sexualidade, cultura e empregabilidade.

Seus proprietários são Alfredo Motta, que ocupou os cargos de executivo de marketing da AmBev, diretor de marketing da L’Oreal no Brasil e na França e vice-presidente da agência JW Thompson, e Marcos Calliari, que foi executivo da Souza Cruz e AmBev e diretor da EF Educação em Boston, Xangai e São Paulo, além de diretor do instituto de pesquisa Ipsos.

Mais informaçõe: www.agencianamosca.com.br.

______________________
Fonte: AD Comunicação & Marketing - www.adcomunicacao.com.br
Pesquisa investiga e expõe comportamento do jovem brasileiro Pesquisa investiga e expõe comportamento do jovem brasileiro Reviewed by Empresas S/A on 06:43 Rating: 5

Nenhum comentário: